Dido e Eneias

Academia Barroca Europeia de Ambronay

Em 2017 o CCB volta a receber a prestigiada Academia Barroca Europeia de Ambronay, projeto criado em 1993, que visa formar, aperfeiçoar e profissionalizar jovens músicos europeus na interpretação de música barroca. Sob a direção de um maestro de renome, cada criação da academia produz e difunde uma obra do reportório barroco, circulando pela Europa. Este ano, sob a direção do maestro e conceituado tenor Paul Agnew, a escolha recaiu sobre Dido e Eneias de Henry Purcell. Esta ópera é, sem dúvida, a coroa de glória da ópera barroca inglesa. O modo como Purcell trata as palavras e a ação é extremamente inovador. Integra as danças tão apreciadas da ópera francesa, sem trair o gosto pela ária da ópera italiana. A ópera teve a sua primeira audição pública em 1689, quando as alunas da escola de Chelsea a interpretaram numa encenação do diretor, Josias Priest, que era também coreógrafo do Teatro Real de Londres. A ária final de Dido é um dos mais espantosos lamentos compostos para ópera. A música ora acaricia a letra, ora lhe resiste, ilustrando o seu sentido ou transmitindo os seus limites. Dido está isolada, num turbilhão interior. Mas a ação muda para o exterior quando uma tempestade obriga os amantes a procurar abrigo. O lamento de Dido, suscitado pela partida de Eneias, leva-a novamente para a turbulência interior, só que desta vez é tão forte que acaba por ser fatal. A ópera de Henry Purcell será completada por excertos da desconhecida Dido e Eneias do compositor barroco francês Henry Desmarest.


Programa
Dido, tragédia lírica de Henry Desmarest. Excertos

Intervalo

Dido e Eneias, opera em três atos de Henry Purcell. Representação integral

 




Produção | CCB

24 Julho 2017 | 21:00

M/6
1 h c/ intervalo
Enviar a um Amigo