Música Sinfónica

Concerto de Aniversário da Metropolitana

CCB

Concerto de Aniversário

Pelo menos uma vez na vida, todos deveríamos ouvir qualquer uma das obras que se juntam neste último programa sinfónico da presente temporada da Metropolitana. Sabendo ainda que são três monumentos artísticos que raramente se cruzam entre nós, o convite torna-se definitivamente irrecusável. Partilham entre si uma característica comum, a relação flagrante (e fecunda) com narrativas extramusicais – mitos, palavras, pensamento. Primeiro, em 1888, Richard Strauss inspirou-se no carisma de Don Juan para compor o poema sinfónico que lançou a sua carreira. A fragmentação dos diferentes núcleos instrumentais resulta em texturas orquestrais que contribuem muito para a sua espetacularidade. Já em 1901 e 1902, Gustav Mahler compôs cinco canções sobre poemas de Friedrich Rückert que meditam sobre a génese da criação artística, a natureza e o amor. Por fim, pulamos até finais da década de 1960, numa altura em que Luciano Berio procurava, através da música, amplificar o poder semântico da linguagem. Na sua obra magna, Sinfonia, evoca a antropologia estrutural de Claude Lévi-Strauss, a figura mártir de Martin Luther King, e até a Sinfonia n.º 2 de Mahler, Ressurreição.

Orquestra Metropolitana de Lisboa
Meio-soprano A anunciar
Solistas do Coro Gulbenkian
Maestro Pedro Amaral

Richard Strauss Don Juan, op. 20
Gustav Mahler Rückert-Lieder
Luciano Berio Sinfonia

 

Produção Metropolitana

 


21 junho 2020 | 17:00

M/6
Enviar a um Amigo