Patricia Barber

Patricia Barber no CCB

Patricia Barber

De regresso a Portugal após um interregno de nove anos, Patricia Barber é um dos principais rostos do jazz, ao lado de outras talentosas intérpretes como Jane Monheit, Karrin Allyson ou Natalie Cole.

O seu estilo muito próprio desde cedo mostrou que Patricia Barber não era uma cantora jazz limitada aos moldes convencionais; aliás, o seu estilo bastante peculiar – onde uma voz gutural concilia o seu talento de vocalista com o de compositora e letrista – valeram-lhe de início a desconfiança e o escárnio da crítica na sua Chicago natal.
A vitória num concurso do Gold Star Sardine Bar deu-lhe o empurrão decisivo para a carreira, servindo para afastar as críticas mais negativas. Com quatro álbuns em três editoras diferentes – Split, A Distortion Of Love, Café Blue e Modern Love, o primeiro pela Floyd, o segundo pela Verve e os dois últimos pela Premonition. Em 1998, a conceituada editora Blue Note adquiriu a Premonition e Patricia Barber viu o seu trabalho recompensado, com uma maior aposta na sua música, começando a ser encarada internacionalmente como uma personalidade respeitada no campo do jazz avant-garde, principalmente graças aos seus dois álbuns seguintes, Modern Cool e Night Club.

Produção | Incubadora d´Artes

2 dezembro 2017 | 21:00
M6/
90 minutos
Enviar a um Amigo