Temporada Sinfónica e Ópera

Ateliê de Ópera da Metropolitana : A Flauta Mágica

Orquestra Metropolitana de Lisboa

CCB

©Joel Santos | www.joelsantos.net

Composta não para uma casa de ópera mas para o popular teatro de vaudeville dirigido por Schikaneder, A Flauta Mágica é uma das últimas obras de Mozart, escrita numa altura em que o compositor se encontrava desesperado por dinheiro. O libreto, baseado numa imensa variedade de fontes, mistura elementos de pantomina, farsa, partes faladas e cenas de efeitos especiais com a filosofia mística maçónica, que Mozart subscrevia. A começar nos três acordes solenes com que se inicia a abertura, a ópera contém muitas referências aos rituais e ao simbolismo desta organização secreta.
A incrível mistura do cerimonial iniciático, do gracejo no espírito do Singspiel, e de magia infantil, encontra a sua coerência graças a dois fatores: o génio musical e dramático de Mozart, por um lado, e a sua fé no ideal maçónico, por outro. É evidente que se trata de uma cerimónia de iniciação carregada de significados e de símbolos esotéricos. Mas não é menos evidente que a obra era também destinada ao público comum, pouco aberto à espiritualidade. Com uma maravilhosa habilidade, Mozart permitiu a esta obra-prima realizar a sua dupla vocação.


Orquestra Metropolitana De Lisboa
Coro de Câmara Lisboa Cantat
Participantes no Ateliê de Ópera Metropolitana 2017/2018
Jorge Vaz de Carvalho
direção cénica e vocal
Jorge Carvalho Alves
maestro do coro
Pedro Amaral
direção musical

Wolfgang Amadeus Mozart A Flauta Mágica


Coprodução | CCB | Metropolitana

19 Janeiro 2018 | 20:00
21 janeiro 2018 | 16:00

M/6
Enviar a um Amigo