Garagem Sul | Exposições de Arquitetura

Os Ossos da Arquitetura

CCB

Bruther, Centro Cultural e Desportivo, Paris, França, 2014

Johansen Skovsted, Transformação de três estações de bombagem, rio Skjern, Dinamarca, 2015 © Rasmus Norlander

pedrazzini guidotti, Edifício na Unterstrasse 12, St. Gallen, Suíça, 2017 © Roger Frei

Sancho Madridejos Architecture Office + Alejandro Bernabeu, Alborouj Hub Cultural. Palco ao ar livre, Cairo, Egito, 2018

6a architects, Coastal House, Devon, Reino Unido, 2017 © Johan Dehlin

Brandlhuber+, Rachel, Krampnitz, Alemanha, 2012 © Erica Overmeer

OMA+ METRO RPJ, São Paulo, Brasil, 2013 © OMA

Curadoria Mario Rinke
Produzida pelo CCB/Garagem Sul

Para além dos materiais que dão forma e aparência a um edifício, há pré-condições físicas que permanecem fundamentais – a sua sustentação como um todo e a capacidade de se manter em pé: tal como os animais têm ossos, cada edifício tem uma estrutura. Os edifícios têm lógicas internas que não são negligenciáveis, a interconexão dos seus materiais e componentes dá-lhes força e, como consequência, essas lógicas impõem formas, padrões, ordens e constrangimentos. Na arquitetura, há uma longa tradição de pensamento que toma a metáfora biomórfica para a estrutura portante, com a construção a tornar-se a anatomia da arquitetura. A ciência, novos materiais e tecnologias têm permitido uma liberdade extra no projeto de edifícios.
Esta exposição examina a atenção dada à estrutura ao serviço da arquitetura, tal como tem vindo a ser desenvolvida por vários projetistas europeus. Serão apresentados trabalhos e métodos de sete arquitetos e engenheiros que permitem refletir sobre princípios, regras, estratégias e métodos de conceção estrutural.


Participantes

Bruther, Paris, França
Fascinado pela presença física da estrutura dos edifícios, o atelier Bruther esforça-se por compreender e agir de acordo com as necessidades conceptuais e construtivas de um projeto, ao mesmo tempo que é capaz de fazer concessões que, inesperadamente, conduzem a novas áreas de experimentação e pesquisa. O seu trabalho sugere um delicado equilíbrio entre estratégia e forma, rigor e liberdade, imediatez e evolução, qualidades específicas e genéricas. Esta ambiguidade e fluidez resultam de atribuir à estrutura mais funções além do suporte de cargas: ter um esqueleto característico que permita controlar o espaço. Projetando o futuro de cada programa funcional, os seus projetos geram infraestruturas abertas que se adequam a muitas variações de contexto e a uma grande maleabilidade de usos. 

Fundado em 2007 por Stéphanie Bru e Alexandre Theriot, o atelier Bruther trabalha nos campos da arquitetura, pesquisa, educação, urbanismo e paisagismo. Stéphanie Bru e Alexandre Theriot dirigem, desde 2007, o seu atelier com escritórios em Paris e Lausanne. Além disso, os dois dedicam-se ao ensino na Suíça, Stéphanie Bru na EPF Lausanne e Alexandre Theriot na ETH Zürich.

Johansen Skovsted, Copenhaga, Dinamarca
O atelier Johansen Skovsted pensa tanto com o olhar do arquiteto como com o de quem constrói, o que permite uma aliança cuidada de processos e materiais de construção com qualidades arquitetónicas fundamentais, através de uma síntese de ideias, técnicas e métodos de fabrico. Esta abordagem vê na estrutura uma parte viva do espaço que produz, ligando componentes legíveis e referenciáveis que contribuem para enfatizar características espácias particulares. Dessa materialidade e ordem subtil emergem padrões que se inscrevem e relacionam com rigor no seu ambiente construído. Johansen Skovsted Arkitekter foi fundado por dois arquitetos, Søren Johansen e Sebastian Skovsted. Ambos estudaram arquitetura na Det Kongelige Danske Kunstakademis Skoler for Arkitektur, Design og Konservering (KADK). Sebastian Skovsted fez também parte dos seus estudos na TU Delft. Complementam a sua atividade ensinando na KADK, no Instituto de Arquitetura e Tecnologia.

Rui Furtado, Porto, Portugal
Com um grande interesse na conceção espacial e no papel dos materiais e estrutura dos edifícios, Rui Furtado dialoga em proximidade com arquitetos nas primeiras fases do desenho de projetos, muitas vezes em fase de concurso, contribuindo com a sua visão pessoal e experiência para o pensamento da obra como um todo integrado. No seu trabalho, pretende que as estruturas evoluam através de um processo de negociação equilibrado que reflita a conceção arquitetónica e seja dela inseparável. Para ele, a estrutura é integradora de todos os aspetos da arquitetura e de todas as disciplinas da construção e, em consequência, é sempre muito específica: a estrutura usa e cria uma linguagem própria de cada espaço. Rui Furtado é administrador da afaconsult, com instalações no Porto e em Lisboa. Licenciou-se em Engenharia Civil na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) em 1982 e cofundou a afaconsult em 1985.

Brandlhuber+, Berlim, Alemanha
Na obra do atelier Brandlhuber+, muitas vezes a estrutura constitui um elemento de interligação na conceção arquitetónica, que por sua vez é fortemente centrada no contexto dado ou, mais exatamente, no tecido construído já existente. A estrutura reforça ou reinterpreta subtilmente o espaço, usando meios mínimos, do que resulta uma intervenção com uma nova qualidade arquitetónica forte e, muitas vezes, surpreendente. O alcance da sua prática cultural vai para além da arquitetura e do urbanismo, levando a politizar questões de propriedade privada e coletiva, economia sustentável e cooperação social. Brandlhuber+, com sede em Berlim, foi fundado em 2006 por Arno Brandlhuber e desenvolve projetos em cooperações abertas e mutáveis. Arno Brandlhuber estudou arquitetura na Technischen Universität Darmstadt, Alemanha, e na Accademia di Belle Arti di Firenze, Itália. Desde 2017, é Professor Associado de Arquitetura e Design na ETH Zürich, Suíça.

6a architects, Londres, Reino Unido
No trabalho do atelier 6a architects, a estrutura tem um significado amplo e reflete a ordem e a disposição dos elementos arquitetónicos. Combinando as qualidades intrínsecas dos materiais e a profundidade da luz natural, com um forte sentido de atmosfera e qualidade táctil, o atelier com sede em Londres procura sempre ampliar as relações presentes num dado contexto. Por conseguinte, os elementos portadores de cargas são desenvolvidos sobretudo a partir do interior, concebidos com grande variedade e decorrentes das qualidades intrínsecas dos espaços dados ou imaginados: padrões, superfícies, materialidade, luz. O atelier 6a architects foi fundado por Tom Emerson e Stephanie Macdonald em 2001. Stephanie Macdonald estudou no Portsmouth College of Art and Architecture da Mackintosh School of Architecture, no Royal College of Art e na London Metropolitan University; Tom Emerson estudou arquitetura na University of Bath, do Royal College of Art, e na University of Cambridge. Desde 2010, é Professor de Arquitetura na ETH Zürich.

ingegneri pedrazzini guidotti, Lugano, Suíça
Ciente da importância de estruturas de alta qualidade dotadas de uma forte presença estética, o atelier ingegneri pedrazzini guidotti procura elevar o significado da estrutura dos seus edifícios. A partir de princípios estruturais ou de importantes referências históricas, mas sem perder de vista a funcionalidade e durabilidade do espaço arquitetónico, contribui com uma linguagem formal forte a uma escala inusual, definindo assim uma expressão geral característica e uma clareza da conceção. Para este atelier de engenharia de Lugano, a estrutura combina a curiosidade e visão dos engenheiros com a coerência e robustez no espaço arquitetónico. O atelier ingegneri pedrazzini guidotti foi fundado em 2012 por Andrea Pedrazzini, Eugenio Pedrazzini e Roberto Guidotti. Andrea Pedrazzini e o irmão, Eugenio Pedrazzini, estudaram Engenharia Civil na ETH Zürich, ao passo que Roberto Guidotti estudou na Scuola universitaria professionale della Svizzera italiana, em Lugano, e na EPF de Lausanne, onde também se doutorou com o professor Aurelio Muttoni. Todos se dedicam ao ensino na área das estruturas em diferentes escolas de arquitetura da Suíça.

Alejandro Bernabeu, Madrid, Espanha
Dotado de uma extraordinária compreensão das necessidades e possibilidades estruturais, bem como de curiosidade e paixão, Alejandro Bernabeu considera as estruturas como componentes singulares e rigorosas do espaço arquitetónico. As suas conceções vão das composições hierárquicas lúdicas às regulares, sempre com subtil complexidade e profundidade. Num processo intelectual de desenvolvimento das regras, dependências e otimização subjacentes à sua conceção, as estruturas de Bernabeu constituem um estrato de significado coerente e autónomo no âmbito de cada edifício. Alejandro Bernabeu fundou a consultora de engenharia Bernabeu Ingenieros em 2014. Estudou Engenharia Civil na Universidad Politécnica de Madrid (UPM) e na École Nationale des Ponts et Chaussées. Doutorou-se na UPM em 2008 e é, desde 2007, professor na ETSAM, em Madrid.

_

Colóquio The Bones of Architecture

Visitas à exposição e à cidade
Visitas guiadas no primeiro domingo de cada mês
_

terça a domingo | Encerra à segunda-feira
10:00–18:00
garagemsul@ccb.pt
213 612 614/5


18 de junho a 15 de setembro 2019

Garagem Sul
Enviar a um Amigo