Este evento já decorreu.

B1 - Concerto Inaugural

Uma Invocação de Shakespeare

Orquestra Sinfónica Metropolitana

Orquestra Sinfónica Metropolitana

Pedro Amaral

Coro Ricercare

Pedro Teixeira

Coro do DeCa/UA

Luís Gomes

Luís Rodrigues

André Gago ©Ana C Zivick

Orquestra Sinfónica Metropolitana

Pedro Amaral direção musical
Coro Ricercare
Pedro Teixeira maestro do Coro Ricercare
Coro do DeCA/UA
António Lourenço maestro do Coro do DeCA/UA
Luís Gomes tenor
Luís Rodrigues barítono
Marta Mata piano
André Gago narrador


Hector Berlioz (1803-1869) Tristia, op. 18 (1849, rev. 1851)
I. Méditation religieuse
II. La mort d’Ophélie
III. Marche funèbre pour la dernière scène d’Hamlet

Hector Berlioz (1803-1869) Lélio, ou O Regresso à Vida, monodrama lírico, op. 14bis (1831-1832; Pub. 1855)
Lélio: «Dieu! je vis encore…»
I. Le pêcheur, Ballade de Goethe: Andantino
Lélio: «Étrange persistance d’un souvenir!»
II. Choeur des ombres: Largo, misterioso
Lélio: «O Shakespeare! Shakespeare!»
III. Chanson de brigands: Allegro marcato con impeto
Lélio: «Comme mon esprit flotte incertain!»
IV. Chant de bonheur – Hymne: Larghetto un poco lento
Lélio: «Oh! que ne puis-je la trouver»
V. La Harpe eolienne – Souvenirs: Larghetto
Lélio: «Mais pourquoi m’abandonner a ces dangereuses illusions?»
VI. Fantaisie sur la Tempête de Shakespeare
Introdution: Andante non troppo lento
La Tempête: Allegro assai, un peu retenu en commencant
L’Action: Un peu moins vite
– Le Denoument. Tempo I più animato con fuoco - Presto
Lélio: «Assez pour aujourd’hui»
Coda: Allegro meno mosso


Berlioz nunca escondeu a sua devoção por Shakespeare, implicando-a com igual fervor em projetos artísticos e na própria vida pessoal. Tal ambiguidade também se deve a uma personalidade romântica, de natureza impulsiva e dada a excessos, mas terá tido origem na ocasião em que assistiu pela primeira vez à representação cénica de um texto do escritor inglês. Tinha 24 anos de idade, quando, em 1827, uma companhia teatral britânica representou no Odéon de Paris A Tragédia de Hamlet, com Henrietta Smithson no papel de Ofélia. No mesmo instante, rendeu-se ao sublime poder dramático de Shakespeare e apaixonou-se perdidamente pela atriz irlandesa. Já em 1832, recém-regressado de Itália, programou um concerto com a Sinfonia Fantástica e o monodrama lírico O Regresso à Vida. Repletas de evocações autobiográficas explícitas, ambas as obras revelaram a Henrietta a afeição amorosa que o compositor lhe escondeu durante cinco anos. Em particular, na narrativa da segunda que tem início após o Sonho de uma noite de Sabbath, o final da Sinfonia Fantástica, a figura de Lélio representa o herói (ou o próprio compositor). Intercala declamação e música, recuperando para o efeito um conjunto de peças compostas anteriormente, entre as quais uma Fantasia para vozes e orquestra inspirada n’A Tempestade. O casamento não foi feliz. No final da década de 1840, Berlioz viria a adaptar para coro e orquestra três elegias. Em Tristia, e no seguimento de uma Meditação religiosa, podemos ouvir A morte de Ofélia e uma Marcha fúnebre para a última cena de Hamlet. – Rui Campos Leitão

CONCERTO LEGENDADO EM PORTUGUÊS.

 

Produção | CCB


26 abril 2019 | 21:00
M/6
Duração estimada 60 min
Enviar a um Amigo