Este evento já decorreu.

C2 - A Trilogia das Barcas: Auto da Barca do Inferno

Toy Ensemble ©Fernando Lapa

Toy Ensemble ©Fernando Lapa

Sara Barros Leitão

João Castro

Fernando Lapa música
Sara Barros Leitão adaptação/conceção, atriz
João Castro ator

Toy Ensemble
Jed Barahal violoncelo / David Lloyd viola e violino / Ricardo Alves clarinete e clarinete baixo / Magna Ferreira voz e percussão / Christina Margotto piano

Teresa Arcanjo assistente de cena

Agradecimentos Teatro Nacional de São João – Porto / Escola dos Gambozinos / Escola Guilhermina Suggia


Gil Vicente (c. 1465-c. 1536) Auto da Barca do Inferno (uma leitura)

O Auto da Barca do Inferno é o primeiro espectáculo deste tríptico composto pelo Auto da Barca do Purgatório e pelo Auto da Barca da Glória. Terá sido apresentado pela primeira vez na corte, em 1571, sendo, talvez, a obra de Gil Vicente mais presente na nossa memória colectiva. Aqui terá lugar uma versão adaptada, em que texto e música se fundem no mais harmonioso canal de expressividade. Mais do que procurar a actualidade da obra, uma vez que é inevitável que esta actue em nós e no nosso tempo - não estivéssemos nós a falar de pecados e moralidade nas classes - queremos descobrir uma outra forma de a comunicar.
Inferno mostra o destino das almas num lugar de condenação ou de glória e apresenta uma grande quantidade e diversidade de personagens, sugerindo uma construção mais policromática e contrastada, a partir dos diferentes tipos que articula. E apesar de o viver de cada personagem ser simbolizado pelo(s) objectos(s) que traz consigo, nesta proposta iremos levar isso ao limite, tornando os adereços nas próprias personagens e permitindo aos intérpretes poderem ser agentes de voz ou musicalidade que dá vida aos diferentes arquétipos. 
Auto da Barca do Inferno é um espectáculo de um só fôlego, onde somos constantemente surpreendidos com a entrada de novas personagens, com argumentações, súplicas, acusações e condenações. É de um ritmo fervilhante e divertido, mas ao mesmo tempo acutilante e mordaz, como não podia deixar de ser. - SARA BARROS LEITÃO

  Concerto gravado pela Antena 2                                                                                                 

A autora escreve segundo a antiga ortografia



Produção | CCB


27 abril 2018 | 19:30

Sala Almada Negreiros
M/6
Duração aprox. 1h
Enviar a um Amigo