B6 - Coro e Orquestra XXI

Paixão Segundo São João

Orquestra XXI

Orquestra XXI

Dinis Sousa ©David Rodrigues

Hugo Oliveira

Raquel Camarinha

André Henriques

Cátia Moreso

João Terleira

Concerto transmitido pela RTP

Na Sexta-Feira Santa de 1724, J. S. Bach apresentava em Leipzig a sua maior obra até à data, a Paixão Segundo S. João, cuja escala emocional não tinha precedentes neste contexto litúrgico. Não havendo testemunhos do público presente, é impossível imaginar qualquer indiferença perante a força incomensurável com que o primeiro coral nos transporta para o início da narrativa. Com as diferentes formas que utiliza, entre recitativos, árias e números corais, Bach intercala momentos de um dramatismo quase visceral com outros de profunda introspeção, conseguindo um equilíbrio perfeito entre narrativa e contemplação. Através da escrita das suas cantatas, que nesta fase da sua vida eram compostas semanalmente, Bach foi experimentando e encontrando novas formas de trabalhar o texto, aproximando-se do ideal de Lutero de que a música devia servir a fé. A Paixão aparece, assim, como o culminar de um ano de árduo trabalho em Leipzig, uma peça que é tanto uma obra de arte como um ato de devoção. Bach tem a capacidade de escrever linhas que são, ao mesmo tempo, instrumentais e vocais, como tantas vezes se pode ouvir nesta Paixão, na qual os solistas vocais quase sempre dialogam com solistas da orquestra, sem que um seja mais ou menos importante. Com esta interação, Bach explora diferentes cores e texturas que revelam um compositor determinado a apresentar uma visão contemporânea e atual dos textos do Evangelho Segundo S. João. Quase 300 anos depois, a força desta obra mantém-se inquestionável e, independentemente das crenças religiosas de cada um, a Paixão continua a ter a capacidade de não nos deixar indiferentes.

                                                                                              


Paixão Segundo São João

Johann Sebastian Bach Paixão Segundo São João, BWV 245


Coro e Orquestra XXI
Dinis Sousa direção musical

Raquel Camarinha soprano
Cátia Moreso meio-soprano
João Terleira tenor
Hugo Oliveira barítono
André Henriques Cristo
Diogo Mendes Pilatos


Produção | CCB



DOCUMENTOS

LETRAS


BIOGRAFIAS

29 abril 2017 | 22:00

M/6
com lugares marcados
Enviar a um Amigo