Este evento já decorreu.

C15 - ...Softest Music To Attending Ears! - Canções para Shakespeare

Carolina Figueiredo

Carolina Figueiredo

O Guardador de Canções
   Carolina Figueiredo meio-soprano
   José Brandão piano


Ned Rorem (1923) Remembrance of things past (When do the sessions of sweet silent thought, Soneto XXX)

Gerald Finzi (1901-1956) Let Us Garlands Bring
I. Come away death / II. Who is Silvia? / III. Fear no more the heat o' the Sun / IV. Oh mistress mine / V. It was a lover and his lass

Joseph Horovitz (1926) Lady Macbeth – A Scena

Fernando Lopes-Graça (1906-1994) Elogio do Príncipe da Dinamarca (Mário Cesariny)
Fernando Lopes-Graça (1906-1994) Ofélia (Díptico das virgens afogadas / António Nobre)

Robert Schumann (1810-1856) Herzeleid (Titus Ulrich)

Hector Berlioz (1803-1869) La mort d'Ophélie

Erich Wolfgang Korngold (1897-1957) Songs of the Clown, op. 29
I. Come away, death / II. O mistress mine / III. Adieu, good man devil / IV. Hey Robin / V. For the rain, it raineth every day

Para um ouvinte de música, Macbeth, a tragédia de Shakespeare, é facilmente conotada com a ópera homónima de G. Verdi. Contudo, a uma escala bem mais pequena, o vasto repertório de canções sobre textos do bardo inglês pende inequivocamente para as suas comédias, sobretudo entre os compositores britânicos, o que confere à cena de J. Horowitz, inspirada por Lady Macbeth, carácter de exceção. Monólogo poderoso e de grande intensidade dramática, sintetiza o percurso da personagem, das aspirações iniciais à grandeza e à obtenção de poder e, finalmente, ao arrependimento e à loucura. De um lado e de outro desta peça central no nosso programa, estão os ciclos de G. Finzi, Let Us Garlands Bring, e de E. W. Korngold, Songs of the Clown. Finzi alterna canções de ambiente ligeiro e jovial com outras em tom de lamento, de meditação sobre a passagem do tempo e a dissipação de todos os receios perante a morte. As canções de Korngold pertencem a Feste, um dos mais interessantes e divertidos bobos das peças de Shakespeare (Noite de Reis). Pleno de engenho e de espírito, sabe mostrar-se melancólico e sensato, quando apropriado, ainda que a sua função seja a de divertir. Em Portugal, os textos de Shakespeare praticamente não tiveram eco junto dos nossos compositores. Duas canções de Lopes-Graça sobre poemas de Mário Cesariny e de António Nobre oferecem-nos uma outra leitura dos personagens de Hamlet e de Ofélia. O programa fica completo com canções de N. Rorem, H. Berlioz e R. Schumann.

 

Produção | CCB


27 abril 2019 | 18:00
Sala Sophia de Mello Breyner Andresen
M/6
Duração estimada 45 min
Enviar a um Amigo