Este evento já decorreu.

C9 - Itália, Um Cenário para Shakespeare

Marco Beasley

Marco Beasley

Marco Beasley voz
Stefano Rocco arquialaúde, guitarra
Fabio Accurso alaúde

Turlough O'Carolan (1670-1738) Sheebeg Sheemore (arr. Stefano Rocco e Fabio Accurso)
John Dowland (1563-1626) Now I needs must part 2
Marco Beasley (1957) In viaggio 1
John Dowland (1563-1626) Come away sweet love 2
Marco Beasley (1957) Firenze 1
Claudio Saracini (1586-1646) Quest’amore, quest’arsura 3
Giulio Caccini (1550-1610) Belle rose porporine 4
Turlough O'Carolan Blind Mary (arr. Stefano Rocco e Fabio Accurso)
Marco Beasley (1957) La lettera di Marenzio 1
John Dowland (1563-1626) Sorrow stay 5
John Dowland (1563-1626) What poor astronomers 6
John Dowland (1563-1626) I saw my Lady weep 5
Turlough O'Carolan (1670-1738) Hewlett (arr. Stefano Rocco e Fabio Accurso)
Compositor anónimo irlandês Jig Port ui Mhuirgheasa (arr. Stefano Rocco e Fabio Accurso)
Marco Beasley (1957) Venezia 1
Claudio Monteverdi (1567-1643) Nigra sum 7
Marco Beasley (1957) Genova 1
John Dowland (1563-1626) Fine knacks for ladies 5
Marco Beasley (1957) Le Alpi 1
John Dowland (1563-1626) Fancy & My Lord Willobe's Wellcome Home 8
Pierre Guédron (1565-1621) Si le parler et le silence 9
Marco Beasley (1957) Farewell, Italia! 1
John Dowland (1563-1626) In darknesse let me dwell 9

TEXTOS ORIGINAIS E PESQUISA LITERÁRIA POR MARCO BEASLEY
1 DE THE FIRST BOOKE OF SONGS OR AYRES, LONDRES, 1597
2 LEITURAS. A PARTIR DE UNA VITA IMMAGINATA, MANUSCRITO, GÉNOVA, 1999
3 DE LE SECONDE MUSICHE, VENEZA, 1620
4 DE LE NUOVE MUSICHE, FLORENÇA, 1601
5 DE THE SECOND BOOKE OF SONGS OR AYRES, LONDRES, 1600
6 DE THE THIRD AND LAST BOOKE…, LONDRES, 1603
7 DAS VÉSPERAS DE NOSSA SENHORA, VENEZA, 1610
8 DE DOWLAND LUTE BOOK, 1610
9 DE A MUSICALL BANQUET, R. DOWLAND, LONDRES, 1610


Meu Senhor Mais Magnífico e Obediente,
Tive conhecimento através de uma carta do Signor Alberigo Malvezi de afeto cortês na qual expressou o desejo de formar laços de amizade comigo, por meio dos quais lhe agradeço infinitamente a sua boa vontade, e me ofereço para tal encontro se puder estar em qualquer forma de serviço, pois os méritos das suas infinitas virtudes e qualidades garantem que todos os homens, e eu mesmo, devemos admirá-lo e obedecer-lhe; e finalmente, beijar as suas mãos. Roma, 13 de junho de 1595. Do servo mais afetuoso de seu Senhor, LUCA MARENZIO

Esta carta, citada no prefácio do Primeiro Livro das Canções de Dowland, publicado em Londres, em 1597, traz a assinatura de um dos maiores compositores de Itália, com quem John Dowland poderia ter um laço de amizade. Também atesta a fama de que goza Dowland, figura de caráter inquieto e melancólico.
Foi também por causa de certos acontecimentos atribuídos a associações políticas e religiosas um tanto obscuras que Dowland decidiu empreender uma viagem que o manteria longe das fronteiras insulares de Inglaterra por algum tempo. Após o convite de Luca Marenzio, e movido pela curiosidade em conhecê-lo, Dowland partiu para Itália na esperança de aceder ao meio cultural no qual o grande compositor madrigal poderia facilmente apresentá-lo. Mas estava fadado que os dois homens nunca se encontrariam. Marenzio estava em Roma quando Dowland cruzou a fronteira de Itália. O inglês, depois de viajar pelo país por um longo período de tempo, tendo visitado Florença, Veneza e Génova, decidiu ir a Roma, mas foi urgentemente chamado de volta à sua terra natal e assim abandonou apressadamente os seus planos de viajar para a cidade eterna. Assim, John Dowland e Luca Marenzio não se encontraram naquela ocasião, e outra oportunidade nunca se apresentaria.
Tudo isto está documentado historicamente.
No entanto, este concerto que se apresenta é fruto da imaginação, um sonho. Reflete o desejo de ver os lugares que Dowland visitou, muito queridos para nós, falar com pessoas que nós mesmos gostaríamos de ter conhecido, ler e ouvir histórias enterradas numa memória antiga. As suas músicas – e a nossa história – são conjugadas com as de outros compositores representados no programa, não para mapear uma linha geográfica de demarcação ou para ilustrar uma antologia de estilos musicais, mas para marcar os pontos dessa viagem idealizada que, como todas as viagens, consiste em gostos, sensações, imagens, cores – em suma, em fantasia. - MARCO BEASLEY


Produção | CCB


27 abril 2019 | 18:00
Sala Luís de Freitas Branco
M/6
Duração estimada 60 min
Enviar a um Amigo