Este evento já decorreu.

C16 - As Sete Idades do Homem

Quarteto Camões

Quarteto Camões

Quarteto Camões

Celia Williams

Tiago Derriça

UMA ENCOMENDA DIAS DA MÚSICA EM BELÉM EM ESTREIA MUNDIAL

Quarteto Camões
   Pedro Meireles violino
   Anne Victorino d'Almeida violino
   Ricardo Mateus violeta
   Martin Henneken violoncelo

Celia Williams recitante

Tiago Derriça (1986) The Seven Ages of Man para quarteto de cordas

Tendo por base o monólogo All the world is a stage, proferido por Jacques em As You like it:
All the world's a stage,
And all the men and women merely players;
They have their exits and their entrances,
And one man in his time plays many parts,
His acts being seven ages.
At first, the infant,
Mewling and puking in the nurse's arms.
Then the whining schoolboy, with his satchel
And shining morning face, creeping like snail
Unwillingly to school.
And then the lover,
Sighing like furnace, with a woeful ballad
Made to his mistress' eyebrow.
Then a soldier,
Full of strange oaths and bearded like the pard,
Jealous in honour, sudden and quick in quarrel,
Seeking the bubble reputation
Even in the cannon's mouth.
And then the justice,
In fair round belly with good capon lined,
With eyes severe and beard of formal cut,
Full of wise saws and modern instances;
And so he plays his part.
The sixth age shifts
Into the lean and slippered pantaloon,
With spectacles on nose and pouch on side;
His youthful hose, well saved, a world too wide
For his shrunk shank, and his big manly voice,
Turning again toward childish treble, pipes
And whistles in his sound.
Last scene of all,
That ends this strange eventful history,
Is second childishness and mere oblivion,
Sans teeth, sans eyes, sans taste, sans everything.

Este ciclo apresenta as sete fases da vida do Homem, da infância ao seu declínio e morte, em música para quarteto e com a declamação de sonetos e excertos de peças de Shakespeare, que serviram de inspiração a Tiago Derriça, para esta encomenda do Quarteto Camões.
A uma obra com esta carga simbólica, não é de todo alheia a influência que recebe de Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz, de Joseph Haydn, na qual se sente o peso da vida de todos os homens carregados aos ombros de Cristo.
O número 7 (sete) – a totalidade, a perfeição, a consciência, a intuição, a espiritualidade e a vontade – simboliza a conclusão cíclica e renovação, o fim de um mundo e o começo de um outro, carregado de simbolismo tanto para o mundo cristão como para muitas outras mitologias. Sete são os dias da semana, os graus da perfeição, as esferas celestes, as pétalas de rosas que evocam os sete céus, as setes hierarquias angélicas, além de todos os conjuntos perfeitos. - RICARDO MATEUS


Produção | CCB


27 abril 2019 | 20:00
Sala Sophia de Mello Breyner Andresen
M/6
Duração estimada 50 min
Enviar a um Amigo