Este evento já decorreu.

D10 - Trio dos Espíritos

Dellalian Trio

Dellalian Trio

Dellalian Trio

João Cipriano Martins

Dellalian Trio
  Nariné Dellalian violino
  Levon Mouradian violoncelo
  Marina Dellalyan piano

  Filipa Lopes soprano
  João Cipriano Martins tenor

Ludwig van Beethoven (1770-1827) Trio em Ré maior, op. 70, n.º 1, Fantasma
Joseph Haydn (1732-1809) 12 Canções Populares Escocesas


Ludwig van Beethoven - Trio op. 70, n.º 1, Fantasma
A peça foi tocada pela primeira vez no Natal de 1808, pelo próprio compositor ao piano, Joseph Linke ao violoncelo e Ignaz Schuppanzigh no violino.
O nome do Trio n.º 1 nasceu, provavelmente, de uma citação do aluno de Beethoven, Carl Czerny. Em 1842, Czerny escreveu que o carácter do segundo andamento, Largo, é assustador e sinistro, como uma visão de um mundo de mortos.
O Trio n.º 1 em Ré maior está disposto na forma simétrica de três movimentos: rápido-lento-rápido. Embora o tema principal da abertura, Allegro Vivace e com brio, comece com um ousado motivo de movimento escalar quebrado por grandes saltos, grande parte do primeiro movimento é de natureza lírica. A secção central de desenvolvimento contém uma conversa instrumental cuidadosamente elaborada e chega ao clímax para inaugurar a recapitulação.
O Largo está em forte contraste com a música de otimismo e energia que o rodeia. Os temas e cenário para este movimento foram derivados de alguns desenhos que Beethoven fez para a cena das bruxas de uma ópera não concretizada de um libreto de Heinrich Collin sobre o drama Macbeth, de Shakespeare. Beethoven teve um número considerável de projetos teatrais (incluindo Romeu e Julieta), com os quais o compositor se interessou na época, mas não chegaram a ser concretizados.
O final, Presto, retorna os espíritos brilhantes do movimento de abertura para trazer este esplêndido produto do período mais fértil de Beethoven para um final feliz.

12 Canções Populares Escocesas
No final do séc. XVIII popularizaram-se na Escócia e Inglaterra arranjos de canções populares escocesas, galegas e irlandesas, aumentando até final do séc. XIX o interesse por este tipo de publicações.
Haydn, Beethoven, Hummel e Weber foram alguns dos compositores que se dedicaram a este tipo de arranjos, sendo que Haydn arranjou mais de 400 obras para editores como Thomson, Napier e Whyte, com o objetivo de as venderem para consumo interno de execução doméstica nos lares burgueses. Na verdade, este tipo de trabalho tornou-se bem pago.
Só mais recentemente se voltaram a editar modernamente estas obras, nomeadamente em 2005 com a edição completa das obras de Haydn pelo Joseph Haydn Institut.
As 12 Canções Populares Escocesas a interpretar neste concerto foram reeditadas por Eusebius Mandyczewski (Czernowitz 1857 – Viena 1929), musicólogo e professor de Teoria Musical e amigo próximo de Brahms.- MARINA DELLALYAN E FILIPA LOPES

Produção | CCB

 


28 abril 2019 | 16:00
Sala Sophia de Mello Breyner Andresen
M/6
Duração estimada 50 min
Enviar a um Amigo