C6 - Toy Ensemble

O Doido e a Morte

Toy Ensemble

Toy Ensemble

Alexandre Delgado

Carlos Guilherme

Luís Rodrigues

Susana Teixeira

Salmo Faria

O Doido e a Morte (1993) foi uma encomenda de Lisboa 94. Baseada na farsa homónima de Raul Brandão, é uma ópera de câmara que junta três cantores, um ator e nove instrumentos. O prólogo instrumental apresenta os temas que são explorados em oito variações e revisitados no epílogo, opondo grupos de instrumentos numa sucessão de tese, antítese e síntese. O nervosismo do Governador face à eminente explosão da bomba trazida pelo “homem mais rico de Portugal” tem como reverso os momentos lentos em que o Senhor Milhões revela o que lhe vai na alma. Estreada no Teatro Nacional de São Carlos e no Theater am Halleschen Ufer, em Berlim, a obra já teve sete encenações distintas desde 1994 e foi gravada em CD em 2014.
Poema de Deus e do Diabo (2001), obra encomendada pelo Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, destina-se a barítono e uma formação instrumental próxima de Pierrot Lunaire, usando harpa em vez de piano. Em Painel, primeiro dos Poemas de Deus e do Diabo (1926), José Régio sente-se dilacerado entre o Cristo e o Demónio. A música procura evocar ambos os personagens e o cantor fica dilacerado como o poeta.
O Tríptico Camoniano (2012) foi uma encomenda do Performa Ensemble que teve como requisito fazer uma ponte entre a música erudita e o fado. À falta de empatia com o fado, o compositor decidiu musicar três sonetos de Camões que Amália Rodrigues cantava: Com que voz, Erros meus e Má fortuna. Para tenor (ou soprano) e trio com piano, o resultado oscila entre alusões quinhentistas, música de câmara e (apesar de tudo) um pouco de fado.


                                                                                                                                                         ALEXANDRE DELGADO


O Doido e a Morte

Alexandre Delgado Tríptico Camoniano
   I. Com que voz
   II. Erros meus
   III. Memória do meu bem

Carlos Guilherme tenor
Raquel Queirós violino
Jed Barahal violoncelo
Christina Margotto piano

Alexandre Delgado Poema de Deus e do Diabo

Alexandre Delgado direção musical
Luís Rodrigues barítono
Carla Rodrigues flauta em Sol e flautim
João Moreira clarinete baixo
Raquel Queirós violino
Jed Barahal violoncelo
Ana Castanhito harpa

Alexandre Delgado O Doido e a Morte [versão de concerto]
Ópera de câmara em um ato para três cantores e nove instrumentos, baseada na farsa homónima de  Raúl Brandão
 
 Alexandre Delgado direção musical
 
Carlos Guilherme tenor Governador Civil
Luís Rodrigues barítono Sr. Milhões
Susana Teixeira meio-soprano Aninhas
Salmo Faria ator Nunes, polícia
 
Toy Ensemble
Carla Rodrigues flauta em Sol, flautim
Iva Barbosa  clarinete em Lá
João Moreira clarinete baixo em Si bemol, clarinete em Si bemol
Vera Dias contrafagote, fagote
Raquel Queirós violino
Luís Norberto Silva viola
Jed Barahal violoncelo
José Fidalgo contrabaixo
Ana Castanhito harpa
Christina Margotto piano, cravo

 

Produção | CCB

DOCUMENTOS

LETRAS

BIOGRAFIAS

30 abril 2017 | 13:00

M/6
Sem lugares marcados
Enviar a um Amigo